S17-11

S17-11

Sociedade holograma: a imagem que revela o jornalismo

A sociedade contemporânea convive com demasiada exposição de imagens nos diversos espaços relacionais, principalmente nos meios de comunicação. Tal constatação permite uma metáfora com o mundo da holografia, no qual miragens ou ilusões bastante realistas reproduzem, em 3D, imagens feitas originalmente em duas dimensões ou tridimensionais. Trata-se, portanto, da sociedade dos simulacros e do restabelecimento da relação entre poder e sedução.

Tudo aquilo que o indivíduo recebe nos periódicos impressos e digitais pode ser considerado, de fato, uma representação do real? Diante de uma sociedade simulada pela holografia, com poder de sedução exatamente por ser indefinida e por disponibilizar múltiplas formas de percepção de acordo com o ponto de vista do observador, o que se tem de fato dos noticiários repletos de imagens? Retratação dos fatos ou miragem? Se a sociedade do espetáculo cede seu espaço à holografia social, há que se refletir sobre os impactos de tudo isso no sujeito leitor.

Artigo tem como objetivo promover uma análise sobre a trajetória da imagem ao longo dos tempos e sua atual utilização pelos meios de comunicação. Afinal, a imagem que o jornalismo revela também mostra o jornalismo que se revela na mente do indivíduo. Assim, admite-se que o poder político tenha substituído a ideologia pela holografia, com ampla capacidade de atrair e seduzir o leitor em função do fato de ser vazio, de apresentar uma ilusão ou aparência que não se justificam, mas que, ainda assim, torna-se passível de experiência e de apreciação por aquilo que mostra.

Além do caráter teórico, baseado em autores que abordam a questão do imaginário coletivo, este artigo promove um inventário sobre primeiras páginas de alguns jornais portugueses com a finalidade de analisar o discurso jornalístico através da imagem, bem como a forma como esta espécie de holografia tem sido recebida pelas pessoas.

Palavras-chave: Imagem; Jornalismo; Violência; Cidadania; Acidentes; Horror.

Firmantes

Nombre Adscripcion Procedencia
Nilton Marlúcio de Arruda Universidade Fernando Pessoa Portugal

ORGANIZA

COLABORA